4.10.16

Estado de Poesia

4.10.16


Sentei 
Engoli o papel
Saboreei as palavras
Tão fugidias, tão efêmeras
Como a rosa que brotara no meu jardim
Sou pássaro incomum
Um em múltiplos
Igor, Miguel, João
Seres que carregam andores
De dores 
De cores
E tantos amores
Levados pela ventania.
Vivo 
Num constante peregrinar
Observo,
Sinto a vida
Pulsando desde dentro.
As palavras gritam
Pedem liberdade
E os versos nos seus reversos
Cadenciam 
Na alva folha
Minhas mãos suadas tremem
E anunciam
Meu estado de poesia.

Um comentário:

Entre notas de rodapé - 2017

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©