14.6.12

Distante do espelho

14.6.12

Andei distante da minha poesia
Da minha triste nostalgia
Palavras que lidas
Para mim tornam-se melodia

Sinto saudade dos meus versos
Saudade das minhas estorias
Sinto saudades também
Das minhas simples memórias

Andei distante de mim
Mas não, não pretendo voltar agora
Ficarei distante
Pelo menos por esta hora

Sei que isto não me torna
Um homem de coragem
Esconder de si mesmo
É um ato covarde

Mas que diferença isto fará para outros
Que fingem acreditar em mim
Até que não são contráriados
Juram amor sem fim


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entre notas de rodapé - 2017

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©