30.6.11

Lembranças

30.6.11
E hoje senti saudades, saudades dos tempos que se foram e não voltam dos momentos marcantes que vivemos de uma época de muitas alegrias. Pessoas passam em nossa vida e deixam marcas, simplesmente por pequenos gestos. As atitudes não precisavam ser tão grandes e sim sinceras, pois isso é o que importa.


3º Ano - 2009
Mais que uma Amiga, uma irmã - Juh

Grupo de Afetividade & Sexualidade - Casa da Juventude -2010

Amigos sempre...
Eu, na missa de envio em 2010 -  Cantando Salmo
Chego a lembrar, das gargalhadas nas conversas com os amigos, das brincadeiras no meu tempo de criança, quando um “avião” era meu brinquedo favorito. Ainda me recordo dos grandes amigos que fiz na escola, “de quando éramos felizes e nem sabíamos” – diz uma amiga minha. Quando ganhei minha bicicleta de presente de aniversário da minha mãe fiquei feliz da vida, e não esqueço a data: três de junho do ano de 2000. Recordo-me quando já engajado na Igreja, pertencendo ao grupo de liturgia da minha paróquia, o primeiro salmo cantado por mim, o quão nervoso eu estava. Quando saí de casa para viver uma nova vida, pensei que não fosse suportar a saudade, mas vivi, e ainda vivo. A saudade é a certeza de que as pessoas que amamos nos fazem falta. Ainda faço questão de me lembrar das grandes amizades que mantenho até hoje. É tão interessante como as pessoas vão chegando à nossa vida. Aos poucos vão tomando seu espaço, e hoje pra mim se tornam insubstituíveis.




Minha mãe, Eulália...amo demais


Eu, Cris e Rayanne...especiais =)
“Há ventos que nos trazem pessoas no reflexo do tempo. Mesmo a distância, perpetuam-se no pensamento. São fotografias das quais a saudade terá sempre os negativos revelados na memória. Há pessoas que nos trazem ventos no reverso do tempo preso à substância, revelando sentimentos. São maravilhas das quais a sinceridade terá sempre os negativos revelados na história”
Todas essas lembranças ficarão eternizadas na minha memória. E a cada dia uma nova recordação é construída... Somente eu sei do que vivi, sorri, chorei, mas tudo isso valeu a pena ter vivido, e hoje sou a pessoa mais feliz do mundo com as lembranças cravadas no meu coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entre notas de rodapé - 2017

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©