25.10.10

A arte de se fazer de vítima

25.10.10
         Em certos momentos da vida nos fazemos de vitimas em algumas situações, pois estamos frágeis e essa reação é imediata. Sabemos que tais reações não são corretas, mas às vezes em circunstancia acabamos praticando-as.
         Com uma forma de viver alcançamos nosso bem estar, infelizmente existem pessoas que preferem complicar mais a situação, fazendo-se de vítima colocando que tudo de ruim acontece na vida dela. Uns veem seu problemas como coisas normais do dia a dia, mas outros já tem uma concepção totalmente diferente. Fazem-se de vítimas o tempo inteiro. As pessoas que a rodeiam não entendem esse tipo de comportamento e o relacionamento interpessoal é afetado devido essa maneira de pensar e viver. É difícil, mas não impossível reverter essa situação. Tem que haver determinação para dar o primeiro passo, coragem de enfrentar o que te está afligindo. Temos que ser amigos de nós mesmos. Ser humilde é a primeira virtude. É preciso fazer o bem para si. Olhe no espelho e faça elogios a si próprio. “Não faça nada que o desagrade só para agradar aos outros. Mas seja gentil e educado.”
         Augusto Cury usa as seguintes palavras: “Muitos vivem apenas porque estão vivos. Vivem sem objetivo, sem metas, sem ideais, sem sonhos. Foram preparados para vencer e por isso não sabem o que fazer quando tombam pelo caminho. Sabem lidar com os aplausos, mas desesperam-se com as vais.” Muito me admira quem arrisca que corre atrás do que realmente quer. Há aqueles que vão, quebram a cara, erram e mesmo assim tem a simplicidade de reconhecer as falhas. Não reclame da vida, pois ela não é perfeita. Revise sua rotas, refaça caminhos, planeje sua vida. A vida é um dom dado por um ser supremo e que deve ser tratada como um grande tesouro.
Viva a vida sem medo de arriscar.
Igor Pereira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entre notas de rodapé - 2017

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©